segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

QUANDO AS PALAVRAS NÃO SAEM

Há alguns dias estava tentando escrever um texto, sobre um tema que muito me inquietava. Mas de todas as formas possíveis a 'inspiração não vinha'. Tentava, começava frases, estabelecia pontos de reflexão, entre outras regras e métodos que uso na produção textual e nada! Até que depois de algumas tentativas percebi, finalmente, que não era isso que o Senhor queria que eu dissesse! Pensei comigo: "Meu Deus... ainda estou errando nisso? Que coisa primária... sei reconhecer sua voz mas não soube reconhecer o seu silêncio... Me perdoe!!!" E assim entendi, de fato, a finalidade deste blog. Ficou tão claro meu papel! Ainda que os temas sejam amplos e de interesse de alguns cristãos, o blog esbarra na fragilidade daquele que o escreve. Eu, irmãos, não tenho nada a dizer se assim Deus não o fizer. Ele é a minha inspiração, minhas palavras, meu Chokmah. O Espírito Santo é tudo o que tenho a dizer... Se Ele não usar o vaso, o vaso fica parado, vazio, atrás da porta. Talvez se se tratasse da minha profissão ou tema que tenho estudado na Sociologia, talvez se se tratasse de um livro que li ou filme que assisti. Mas não se trata... Se trata do Povo de Deus e Ele é o único que tem autoridade para se reportar à nós. Se Ele não falar, seus servos não devem nem tentar abrir a boca... ou nesse caso, nem tocar no teclado... Talvez seja essa a razão de tantos sermões sem sentido, de pregações e testemunho vazios, de orações frias: a comunicação com Deus não foi estabelecida. E se Deus não está envolvido no processo, a inspiração do Espírito Santo simplesmente nos falta... e pra dizer algo 'da carne' é melhor ficar calado... correto? Cumprindo esta prerrogativa, eu me calo.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

OFERECENDO SACRIFÍCIOS DE LOUVOR

1. Oferecendo “primícias”

Se o louvor é um sacrifício, ele pode ser dado tanto por Abel, quanto por Caim. Sabemos que o sacrifício de Abel foi perfeitamente agradável a Deus, por que ele deu o melhor de tudo que possuía, de todo seu coração. Caim, por sua vez, depositou as sobras de sua colheita e foi reprovado por Deus em seu proceder. Nestes dois exemplos estão fundamentados os dois tipos de sacrifício que são depositados no altar de Deus. O verdadeiro Cristão se preocupa em oferecer, sempre, o melhor no altar. E dar este ‘melhor’ implica em se entregar sem reservas durante o momento da adoração e do louvor, inclusive durante o culto. Não por um sensacionalismo bobo, ou demonstrando emoções vazias, nem por reagir a uma música suave no fim de um dia trágico. Trata-se de aproveitar um momento de intimidade com Deus, de uma oportunidade de estar em Sua presença que não pode passar em branco. E só quando é tratado deste modo, que o louvor pode soar como sacrifício agradável a Deus, como foi o de Abel. Se não matamos carneiros e despejamos gordura sobre o altar, então o que devemos despejar? Não irmãos, não é dinheiro, é claro! Devemos oferecer nossos corpos íntegros e nossos corações dispostos na presença do Pai. Devemos derramar a nossa alma! Os olhos do Senhor procuram por aqueles que O adoram em espírito e em verdade, ou seja, aqueles que alcançam a profundidade necessária para uma entrega completa. Isso não significa que temos que cantar, gostar ou saber fazê-lo, mas é, sem dúvida, neste ambiente de unção e adoração que habita o louvor. Neste interím estabelece-se uma relação recíproca de amizade e envolvimento com um personagem extraordinário - O Espírito Santo. Ele nos leva à níveis de adoração que não conseguiríamos atingir sozinhos e nos qualifica para receber mais e mais de Deus, a cada passo, em Sua direção. Para aqueles que trilham este caminho, e realizam a entrega ideal para um perfeito louvor, a experiência tende a ficar cada dia mais intimista, até atingirmos uma posição única na presença de Deus, de onde não queremos mais sair. Totalmente rendidos e entregues a Ele, aproveitando cada segundo de sua presença, ansiosos pelo próximo contato, completamente apaixonados...
2. Enquanto uns louvam, outros estão inertes...

Como Caim, muitos não entendem a importância de oferecer primícias ao Senhor e não conseguem agradá-lo com suas sobras, superficialidade e frieza. Perdem o contato, a intimidade com o Pai e ficam cada vez mais distantes da Sua presença. Sim, essa realidade é cruel. Aqueles que se acham importantes demais para fechar os olhos e falar com Deus durante uma música, evidentemente não estão aptos para receber a presença Dele. Apegados demais com os rituais e regras de comportamento, os crentes Caim vão para a Igreja munidos de sua arrogância e presunção e não entendem a importância do louvor. Normalmente ficam inertes ao clima de adoração na Igreja e fingem. Por que Caim não deixou de oferecer... Ele não faltou neste dia, ele foi até lá e, ignorando a grandeza de Deus, ele ofereceu suas sobras. O problema é que a maioria das pessoas não se auto-avalia e em decorrência disto não enxerga a falta de qualidade de sua oferta. Passam uma vida inteira oferecendo restos, o resto de seu tempo, o resto de seu vigor, o resto de sua alegria, o resto de sua espiritualidade, o que sobrou de seu coração, de seu amor, de sua dedicação. Mas é evidente que nada disso agrada a Deus e ele nunca estará atento ao clamor deste filho, que O ignora dentro de Sua própria casa. Digo isto por que é sabido que Ele sonda corações e mentes e está apto para julgar o que se passa no pensamento daqueles que consideram o louvor uma ‘bobagem’, uma parte dispensável e fútil do culto. Porém é preciso considerar que é possível uma pessoa chegar ao céu sem saber um versículo de cor, mas nunca, em hipótese alguma, é possível chegar lá fazendo adorações vazias e superficiais, mesmo aqueles que têm seus currículos repletos de boas obras. É preciso louvar e louvar “conforme a excelência de Sua grandeza” como diz o Salmo 150. Esse padrão de qualidade é altíssimo!! É evidente que nunca seremos capazes de atingi-lo completamente, mas como um pai compreensivo Ele considera a nossa intenção. Caim nunca teve intenção de agradá-lo e o Senhor o repreendeu dizendo: “Se procederes bem, não é certo que sereis aceito?” (Gn 4:7). O Senhor merece uma adoração genuína, um coração que O ama e reconhece Seus grandes feitos. Ele está pronto para receber esta adoração há qualquer momento, desde que seja sincera, integral e de todo o entendimento. E essa postura de adoração não deve ser restrita ao culto, deve ir além, acompanhando o Cristão durante toda sua vida e de modo crescente, até o dia em que o veremos face a face.
Se a sua oferta de louvor ainda não corresponde ás primícias que Ele merece, procure o auxílio do Espírito Santo para que Ele te faça um adorador por excelência!

video

terça-feira, 17 de novembro de 2009

INCOERENCIA, DESPREZO AO PRÓXIMO E PERDA DE REFERENCIAL... ONDE ESTAMOS INDO?


1. Um clamor pela coerência !

Sinceramente lamento o abismo que se formou entre a Doutrina genuína que Cristo pregou e viveu e o 'Cristianismo' que é vivido por algumas pessoas e, infelizmente, pregado em algumas Igrejas. A incoerência é tamanha que em certos momentos me pergunto se Jesus 'frequentaria' certas reuniões... Temo que não. E quem me dera que estivesse falando de escândalos pontuais, envolvendo lavagem de dinheiro, corrupção, política, dinheiro na bíblia, mansões no exterior, vídeos escandalosos. Não! estou me referindo a um contingente muito maior e mais generalizado de podridão. Estou falando de um farisaísmo absurdo, de uma disputa pelo poder, pelo dinheiro e em outros casos de busca por reconhecimento terreno. Estou falando da mais terrível expressão de falta de amor - o desprezo ao próximo. Esse cenário de desprezo é tão tenebroso que vejo exclusões nas Igrejas. Vejo o quão distante de Deus as decisões pastorais estão. Vejo o quão revelador é o poder, capaz de trazer à tona toda a vaidade e orgulho da natureza humana. E experimentando o poder as pessoas preferem destruir à construir, destituir à integrar, excluir as opinões diversas e as criticas em vez de fazer uma auto análise e, no mínimo, tolerar. A razão, meus irmãos, é que essas pessoas perderam o referêncial. A bíblia deixou de ser o manual de conduta, a opinião de Deus e do Espírito Santo deixou de ser o guia para suas ações. O que vale é o que é decidido em conclaves, reuniões às escuras e imposições imaturas, na tentiva de eliminar os que se opõem. O que precisa ser resguardado são os cargos, o poder... nunca as almas, o testemunho, as ovelhas. Aonde esta total incoerência está levando estes Cristãos? Para o céu infelizmente não é... Isso não se trata de um julgamento meu, uma conclusão ou uma sentença que estou dando, este é o diagnóstico que garante a palavra de Deus, por isso clamo para que nossas ações sejam coerentes com ela!

2. De volta ao Evangelho

A beleza e a santidade da palavra pode resgatar a conduta da Igreja, somente ela. Teremos um cenário mais próximo ao Reino dos céus quando ela for, de fato, a luz para os caminhos. Preciso deixar claro que o Evangelho precisa ser seguido de perto, individualmente e como sempre digo, de todo o entendimento. Não estamos congregando para seguir ordens às cegas. Precisamos refletir cada vez que dizemos amém, que levantamos ás mãos e também, (por que não?), cada vez que ficamos em silêncio, negligenciando a palavra. O incentivo à leitura da Bíblia é fundamental e só vemos crescimento e maturidade nas Congregações que mantém essa prática. Há, de certo modo, tanta psicologia, tanta doutrina de homens nos ensinamentos, cursos e escolas dominicais que sinto saudade da época em que era mais vantajoso conhecer a Bíblia do que ter domínio extenso de títulos e autores. Não se trata evidentemente que ler a literatura gospel ou secular seja desproveitosa, mas que a Bíblia sim, deve ser o centro, para que diante de determinadas situações o Cristão não tenha dúvidas em como proceder. Esses passos que nos levam de volta ao referencial que é Cristo e sua palavra podem ser mais transformadores do que consigo tratar com minhas palavras, nenhuma retórica é capaz de explicar o quanto pode ser Revolucionário conhecer as escrituras e buscar proximidade com Cristo. Somente quando temos domínio do que Ele pensou e como agiu é que conseguimos (nem que levemos uma vida para isso) nos aproximar de seu modo de conduta, agindo com sua sua aprovação, agradando-o em nosso dia a dia, com nossa simples postura diante das coisas.

3. Endireitando nossas veredas

Estou convicta de que é fundamental para todo aquele que é Cristão, se preocupar mais com o que Cristo pensa a seu respeito, do que como se é visto, ou julgado, pelos outros. Mas meus amados, não transformem isso numa máxima que não permita uma auto-avaliação, partida do feedback dos seus companheiros de estrada. Lembrem-se que nossas ações devem resplandecer em tudo a Luz que nos foi dada, não podemos jorrar água doce e salgada. Nosso testemunho é tudo que temos! A auto-avaliação é fundamental e para todo Cristão, ela deve ser cotidiana e apoiada em 3 aspectos, o que sou para mim, o que sou para o mundo e o que sou para Deus. A avaliação à luz da bíblia sempre segue no sentido de nos aproximar de uma coerência entre estes parâmetros. A palavra de Deus tem poder de nos tornar coerentes, por isso devemos primar por ela e buscar viver em conformidade com o que Cristo espera de nós. Afinal, nós não fomos chamados para nos comprometer com instituições, pessoas e cargos. Estamos construindo um caráter que nos permita ver o Deus que nos criou. Não podemos corromper nossa vocação com o anseio pelo poder, com o egoísmo cruel e com outras pretensões terrenas. Estamos aqui de passagem e devemos contruir algo que esteja para além da nossa efêmera existência. Se queremos seguir os passos de Cristo e ser chamados de Cristãos devemos ser tão concentrados em Deus como ele foi, amando como ele amou, permanecendo em seu amor integralmente até o fim, por mais árdua e complexa que seja essa tarefa. Para que nossos passos digam à todos, sem dúvidas nem contradições, que estamos indo para o céu, encontrar com Ele.

domingo, 15 de novembro de 2009

CAÇA ÀS BRUXAS



Este é um post de protesto à um tipo de Igreja aonde as pessoas são expulsas por questionar. Não, eu não estou me referindo a uma passagem histórica! Estou falando de acontecimentos recentes, promovidos por uma Igreja que infelizmente mancha o nome do nosso Jesus com medidas autoritárias, que julga e sentencia, sem oportunidade de defesa, muito menos de advertências precedentes. Eu protesto contra este absurdo! Não estamos mais na Idade Média. Ou estamos?

terça-feira, 3 de novembro de 2009

PENSO, LOGO DEUS EXISTE

1. “Eu penso” e isso é perfeitamente agradável a Deus.

Dotados de poder de reflexão e escolha, sedentos pelo conhecimento, curiosos, questionadores, críticos e capazes de absorver e reagir a novas informações, assim fomos criados por Deus. Todas essas ‘características’ nos foram dadas pelo Criador e com todas elas devemos adorá-lo. Quando vivemos sem exercer esse privilégio, desperdiçamos o que existe de único e transformador na espécie humana – a racionalidade. Evidentemente me refiro a capacidade de tomar as rédeas de nossa própria vida, tomando todo o domínio de nossos atos, assumindo a responsabilidade por cada um deles e então, num ato de total adoração, oferecê-los a Deus. O que estou dizendo é que não devemos servir a Deus numa atitude mecânica, covarde, plagiando comportamentos, seguindo a Cristo por que se trata de uma tradição familiar, ou por que nossos amigos estão. E sim, se entregando de forma autêntica, coesa e totalmente racional. “Sim meu Deus eu conheço os outros caminhos, conheço as demais filosofias e escolho não me deixar guiar por nenhuma delas, eu escolho a Ti e faço isso com meu coração e de todo o meu entendimento.” A partir daí a vida recebe um novo significado, que é conhecer face a face quem nos criou.

2.“Deus existe” e me criou para Ele.

Deus existe e é criador de tudo. Dele, por Ele e para Ele são todas as coisas. Quando assumimos nossa posição nesta afirmação, temos algumas das maiores questões resolvidas, pois sabemos quem somos, de onde viemos e para onde vamos. Sabemos que Ele escreveu nossos dias em seu livro e todos nossos pensamentos são conhecidos por Ele, bem como nossos defeitos e qualidades. Como o autor da vida nos atribuiu todos os aspectos da nossa personalidade dando a devida relevância ao livre arbítrio. Em ação, nós seres humanos temos direito de escolher se seguiremos nosso próprio roteiro ou se seguiremos o dele, sendo dirigidos pelo Espírito Santo. Por sua vez, quando ignoramos seu script e tentamos viver segundo nossa própria autoria, nos vemos como personagens deslocados, fracassados e incompletos. É importante, todavia, conservar um constante entendimento do propósito de nossa atuação em Sua história e não levar a vida de forma determinista e inflexível sem lugar para escolhas e mudanças. Muitos perecem por falta de entendimento, não dão devido mérito à palavra de Deus e não se posicionam como responsáveis por suas escolhas, vivendo a vida de forma vegetativa escondidos sob a máxima “foi da vontade de Deus”. Por isso é preciso estar consciente de seu lugar, de seu propósito e decidir ficar sóbrio durante todo o processo.

3. Eu decido pensar como Ele.

Temos ainda como suporte e guia o maravilhoso testemunho de Cristo e Sua palavra, que nos fazem entender que é preciso conectar nosso pensamento no Dele e viver uma vida que agrade a Deus, que habite no centro de Sua vontade. Ainda que pareça extremista demais, a verdade é que só teremos vida em abundância quando vivermos para Ele. É igualmente decisivo e revolucionário concluir que isso nada tem a ver com o fato de freqüentar uma igreja ou decidir por tal denominação. Se estivermos aqui ou acolá, isso significa apenas que exercitamos nosso direito de escolha. Assim, quando conseguimos transpor o propósito de nossa vida para além da “instituição religiosa” e admitimos o modo de vida de Cristo como exemplo para nossas ações, estamos nos aproximando do “roteiro original” de Deus para nós, que deixamos de ser apenas criaturas e passamos a ser co-herdeiros com Cristo, sendo considerados seus filhos. A esta altura da vida, ou neste momento de completo exercício da consciência é possível pensar, logo é possível sentir Deus existindo em nós. Não que Ele dependa de nosso pensamento para existir, e sim que nosso pensamento comprova sua existencia. Pensando em Deus existimos, pensando como Ele, fazemos toda a diferença diante de tudo o que foi criado... isso não é exatamente o que nos torna especiais?

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Lançamento Oficial do Blog dia 03/11



Meus amigos, esse Blog está sendo oficialmente lançado e a partir de 03 de Novembro. Pretendo postar algumas mensagens sobre os desafios que tenho encarado em minha caminhada cristã e o aprendizado que tenho adquirido no decorrer do processo.
O assunto das postagens podem variar entre reflexões sobre o cotidiano, mensagens sobre o evangelho e o modo de vida cristã. Estou muito feliz com este projeto e espero que de alguma forma as mensagens acrescentem algo na vida de vocês.
A intensão não é gerar polêmica nem impor opiniões particulares, mas levantar as questões que freqüentemente estão martelando em meu pensamento. Não tenho a pretensão de querer ensinar, nem de querer discutir temas inovadores, apenas quero expor o que penso e ouvir algumas idéias em contrapartida...
Estou feliz em receber algum tempo de sua vida para conversarmos, ainda que exista uma tela entre nós... Obrigada por sua atenção e carinho. Sei que o Senhor Jesus tem prazer em nos ver exercer o privilégio da reflexão e do diálogo.
Susana Silvério